SITE INTERNACIONAL DE NOTÍCIAS, INFORMAÇÕES, OPINIÃO SOBRE ECOLOGIA, MEIO AMBIENTE E CULTURA

 Impacto e espetáculo 
  Montserrat Martins



  
         Notícia de impacto, sem dúvida, a morte de Bin Laden deve render meses de especulações para satisfazer a curiosidade do público.


 É o típico impacto que se transforma em show, desde o aspecto dramático das vítimas do terrorismo, até o espetáculo de suspense que são as múltiplas versões que veremos para cada detalhe da descoberta de seu esconderijo e de sua   morte (sem falar, ainda, nas “correntes” de emails de humor explorando peculiaridades do personagem). 

Outro tipo de “circo de horrores”, de origem diversa, é a crise climática, tanto trágica quanto fonte de matérias (com comoção garantida) na mídia, também para atender à curiosidade pública sobre as catástrofes que se sucedem. 

         Há um tipo de impacto, no entanto, que não gera espetáculo, é o das decisões cotidianas nos dilemas cruciais que a sociedade está enfrentando.

 O impacto climático do desmatamento (gradativo e continuado) não vai ser mostrado na TV como espetáculo, porque não causa comoção, é um fato de natureza cientíica, racional, de gravidade crescente mas que ocorre através de eventos relativamente discretos no dia-a-dia. 

Para compreender a extensão desse impacto, não basta sermos meros  consumires da informação, precisamos das noções científicas mais aprofundadas sobre a correlação entre o desmatamento e a crise climática. 

            A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) solicitou dois anos para estudar o resultado das alterações do Código Florestal no clima, mas os cientistas não foram chamados para o debate em torno do código, que ficou restrito aos políticos. Debate-se a questão como confronto entre “grandes produtores, pequenos produtores e ambientalistas”, mas e a população em geral? 

O clima não é propriedade de nenhum segmento específico, afeta a todos nós (tanto quanto a violência ou o terrorismo internacional). 

            Curiosamente, as pessoas “sabem mas não sabem” dessa  associação entre florestas e clima. As matérias a respeito tratam as catástrofes como manifestação de uma “fúria de natureza”, às vezes  dando a entender que esses fenômenos fossem “inatos” à natureza e não decorrentes das ações humanas.

 No entanto, esse é o drama que vai nos afetar mais drasticamente, nos próximos anos e décadas, do que qualquer outro – até mesmo do que a Al Qaeda, com ou sem Bin Laden. Só para ter uma idéia, imagine o mar avançando continuamente, sobre as nossas costas. 

Se permitirmos que se desmate ainda mais – com mudanças no Código Florestal, sem ouvir os cientistas – seremos nós mesmos os “terroristas” da vida futura.