SITE INTERNACIONAL DE NOTÍCIAS, INFORMAÇÕES, OPINIÃO SOBRE ECOLOGIA, MEIO AMBIENTE E CULTURA

COP 15

Melhor não ter nenhum acordo em Copenhagen do que um que signifique uma catástrofe

Naomi Klein *Adital

A única oferta na mesa em Copenhagen seria condenar o mundo em desenvolvimento à perpétua pobreza e sofrimento.
No nono dia da conferencia sobre o clima em Copenhagen a África foi sacrificada. A posição do bloco de negociação do G77, incluindo os estados Africanos, foi clara: um aumento de 2 °C na temperatura média global se traduz em 3-3,5°C para a África. Isso significa, segundo a Aliança Pan-africana por Justiça Climática [em inglês: Pan African Climate Justice Alliance], “que 55 milhões de pessoas a mais poderiam estar em risco de passar fome”, e “pressões relacionadas à água poderiam afetar entre 350 e 600 milhões pessoas”.

O arcebispo Desmond Tutu diz: “Estamos diante de um desastre iminente em escala monstruosa… O objetivo global de aproximadamente 2°C significa condenar a África à incineração e nenhum desenvolvimento moderno”.

Mesmo assim, isso é exatamente o que o primeiro ministro da Etiópia, Meles Zenawi, se propôs a fazer na sua escala em Paris a caminho de Copenhagen: ao lado do Presidente Nicolas Sarkozy, afirmando falar por toda a África (ele é o chefe do grupo Africano de negociação do clima), revelou um plano que inclui o temido aumento de 2°C e oferece aos países em desenvolvimento apenas $10bilhões ao ano para ajudar a pagar por tudo que se relaciona ao clima, desde muros no mar até tratamento de malária e a luta contra o desmatamento.
É difícil acreditar que esse é o mesmo homem que há apenas três meses estava dizendo o seguinte: “iremos usar nossos números para deslegitimar qualquer acordo que não seja consistente com a nossa posição mínima… Se necessário, estamos preparados a nos retirarmos de qualquer negociação que ameace ser outro estupro ao nosso continente… O que não estamos preparados a aceitar é o aquecimento global acima do nível evitável mínimo”. E isso: “iremos participar nas próximas negociações não suplicando para defender o nosso caso, mas sim como negociadores que defendem as nossas visões e interesses”.

Ainda não sabemos exatamente o que Zenawi recebeu em troca de uma mudança tão radical no seu tom ou como, exatamente se vai de uma posição exigindo $400 bilhões de dólares por ano em financiamento (a posição do grupo africano) para um mero $10 bilhões de dólares. Analogamente, não sabemos o que aconteceu quando a secretária de estado Hillary Clinton se encontrou dom o presidente Filipino Gloria Arroyo apenas algumas semanas antes da conferencia e repentinamente a mais dura negociadora Filipina foi retirada de sua delegação e o país, que vinha exigindo cortes profundos no mundo rico, repentinamente entrou na linha.

Sabemos sim, ao testemunhar uma série desses rostos sorridentes, que as potencias do G8 estão dispostas a fazer qualquer coisa para chegar a um acordo em Copenhagen. Essa urgência não flui de um desejo ardente de evitar uma mudança climática cataclísmica, já que os negociadores sabem muito bem que os cortes insignificantes nas emissões que estão propondo são uma garantia de que as temperaturas irão subir os dantescos 3,9°C, como afirma Bill McKibben.

Matthew Stilwell do Instituto de Governança e Desenvolvimento de Sustentabilidade [em inglês: Institute for Governance and Sustainable Development]- um dos mais influentes orientadores nessas discussões – diz que as negociações não estão voltadas a realmente evitar a mudança climática e são na verdade um campo de batalha sobre um recurso profundamente valioso: o direito ao céu. Há um limite limitado de carbono que pode ser emitido na atmosfera. Se os países ricos fracassarem em reduzir drasticamente as suas emissões, eles estão ativamente devorando a parcela insuficiente disponível para o sul. O que esta em jogo, argumenta Stilwell, não é nada menos do que a “importância do compartilhamento do céu”. A Europa, ele diz, entende muito bem quanto dinheiro pode ser ganho com o comércio de carbono, já que usa esse mecanismo há anos. Os países em desenvolvimento, por outro lado, nunca lidaram com restrições de carbono, portanto muitos governos não entendem o que estão perdendo. Comparados os $1.2 trilhões de dólares ao ano, segundo o eminente economista britânico Nicholas Stern – com os insignificantes $10 bilhões de dólares na mesa para os países em desenvolvimento, nos próximos três anos, Stilwell afirma que os países ricos estão tentando trocar “miçangas e cobertores por Manhattan”. Ele acrescenta: “Esse é um momento colonial. Por isso nenhuma pedra ficou encoberta para conseguir que os chefes de Estado viessem aqui para assinar esse tipo de acordo… E não tem volta. O último recurso sem dono acaba de ser dividido e distribuído entre os ricos”.

Por meses agora ONGs estavam por trás da mensagem de que o objetivo de Copenhagen “era selar o acordo”. Em toda parte no Bella Centre, os relógios estão rodando. Mas não é suficiente apenas um acordo, qualquer acordo, principalmente por que o único acordo oferecido não irá resolver a crise climática e pode piorar muito as coisas, amarrando indefinidamente as atuais desigualdades entre norte e o sul.

Augustine Njamnshi da Aliança Pan-africana por Justiça Climática explica a proposta de 2°C de forma muito crua: “Você não pode dizer que esta propondo a ‘solução’ para a mudança climática se a sua solução irá causar a morte de milhões de Africanos e se serão os pobres, não os poluidores, que irão continuar a pagar pela mudança climática”.

Stilwell diz que um acordo errado iria “amarrar uma abordagem errada até 2020” – muito além da data de limite para o pico de emissões. Mas ele insiste que não é muito tarde para se evitar uma tragédia maior. “Eu prefiro esperar seis meses ou um ano e fazer a coisa certa, por que a ciência esta se desenvolvendo, a vontade política esta crescendo, a compreensão da sociedade civil e comunidades afetadas esta crescendo, e eles estarão prontos a pressionar os seus líderes a assinarem o tipo de acordo certo”.

No início dessa negociação a mera noção de um adiamento era uma heresia ambiental. Mas agora muitos estão vendo o valor de se diminuir a pressa e de fazer a coisa certa. Mais significativo, após descrever o que significariam 2°C para África, o arcebispo Tuto pronunciou que é “melhor não se chegar a nenhum acordo, do que se assinar um mau acordo”. Isso com certeza seria um desastre político para alguns chefes de estado – mas poderia ser a última chance de se evitar um desastre real para todos os demais.

* Jornalista – guardian.co.uk

ANÁLISE-Acordo climático traz à tona falhas da ONU
Por Gerard Wynn

 
COPENHAGUE (Reuters) – Um tímido acordo climático foi alcançado no sábado depois que duas semanas de negociações se recuperaram após quase caírem por terra. O resultado deixou clara a vulnerabilidade do processo da ONU, que depende de um consenso, e pode marcar a diminuição da importância do órgão.

 
As principais negociações aconteceram entre aproximadamente 30 países, e o mais importante resultado envolveu apenas cinco deles: Estados Unidos, China, Brasil África do Sul e Índia.

 
O acordo final não tem força legal e deixa em aberto a adesão dos países. O resultado fica distante da convenção climática ampla da ONU.

 
“Não acho que seja o fim para o papel ambiental da ONU, mas é um novo modelo dentro do arcabouço,” disse Jennifer Morgan, diretora do programa de energia e clima do Instituto dos Recursos Mundiais.

 
Ela apoiou “absolutamente” o papel dos chefes de Estado. Líderes mundiais voaram para Copenhague para participar dos últimos dias de reuniões, e o presidente Barack Obama foi importante para conseguir acabar com o impasse.

 
“Acho que essa é a história dessa conferência. Os chefes de Estado chegaram aqui e fizeram um acordo um pouco independente do processo da ONU. (Mas) ainda haverá muitos papéis importantes para a Convenção Climática da ONU.”

 
O secretariado de mudanças climáticas da ONU ajudaria a monitorar as ações de países em desenvolvimento para controlar as emissões de gases causadores do efeito estufa, uma das questões mais complicadas da conferência da ONU, disse Morgan, como exemplo de papéis que a comissão poderá desempenhar.

 
Decisões da ONU têm de ser feitas por unanimidade entre países diferentes como os EUA e pequenas ilhas do Pacífico como Tuvalu, que tem apenas 12 mil habitantes.

 
Essa regra ameaçou inviabilizar a conferência de Copenhague, que aconteceu de 8 a 17 de dezembro –alguns países em desenvolvimento insistiram que qualquer texto fosse revisado numa sessão plenária com os 193 países-membros.

 
Fontes dizem que os anfitriões dinamarqueses estavam relutantes em fazer isso, com medo de que levaria muito tempo para o grupo criar uma versão preliminar do texto, algo que poria a perder vários dias de negociações. Na última noite, uma sessão plenária ilustrou claramente o problema que é chegar a uma opinião unânime sobre uma versão final do texto.

 
A intervenção direta do secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, foi necessária para resgatar o Acordo de Copenhague. Ban mediou o acordo para que países que estavam relutantes em assiná-lo, como a Venezuela e a Bolívia, participassem.

 
A decisão de sábado apoiou o objetivo de se criar um fundo anual de 100 bilhões de dólares até 2020 para ajudar os países pobres a lutar contra as mudanças climáticas. Ela também aceitou a opinião científica de que é importante limitar o aquecimento global a 2 graus Celsius. Não houve metas de redução de emissão de gases causadores do efeito estufa e nenhum compromisso de que todos os países um dia vão assinar o tratado que sucederá o Protocolo de Kyoto.

 
PRINCIPAIS ECONOMIAS

 
A principal autoridade ambiental da ONU, Yvo de Boer, disse que era exatamente o trabalho das Nações Unidas criar uma solução para um problema global, que pode causar um impacto aos países menos poderosos politicamente.

 
“Pode-se argumentar que seria muito mais eficiente apenas abordar as mudanças climáticas nos encontros do Grupo dos 20,” cujos membros são responsáveis pela maioria das emissões de carbono, disse ele.

 
“(Mas) não está certo do ponto de vista tanto ambiental quanto da igualdade”, porque isso excluiria muitos países, “que já estão na linha de frente das mudanças ambientais”.

 
Parte da razão de ser da ONU, disse de Boer, “é assegurar que abordemos temas globais como as mudanças climáticas de modo igualitário, levando em conta as preocupações de todos.”

 
A contagem regressiva para um acordo na sexta-feira envolveu 28 países, dizem fontes, inclusive países desenvolvidos como os EUA, a Europa e outros países emergentes grandes, como a Índia, a China e pequenos ilhas-Estado como Granada e as Maldivas.

 
O agrupamento acabou por se concentrar nas maiores economias, um grupo de negociações climáticas que lembrava o Fórum das Maiores Economias, um grupo que o ex-presidente americano George W. Bush reuniu para discutir o tema paralelamente à ONU e que muitos acusam de ter impedido um acordo mais amplo antes.

 
O resultado incompleto de Copenhague demonstra “uma fraqueza inerente” do processo de negociação sobre o meio ambiente da ONU, disse Andrew Light, coordenador de política internacional de clima no Centro para o Progresso Americano.

 
“Precisamos começar a buscar outras opções, ou pelo menos começar a usar alguns fóruns alternativos,” disse ele, sugerindo o G20 e o Fórum das Maiores Economias.

 
Mas muitos países apoiaram com veemência o papel das Nações Unidas, exatamente porque ela preservou sua voz. “Não se pode chegar a um acordo que envolva apenas um número limitado de países,” disse o embaixador brasileiro responsável por mudanças climáticas, Sergio Serra.

 
“Talvez em algumas ocasiões isso possa ser um motor para mobilizar os outros, mas eles nunca vão fazer um acordo sozinhos, porque o acordo não terá legitimidade. Portanto, a ONU continuará no centro de tudo isso.”

 
“O processo da ONU é seguro,” disse Dessima Williams, chefe da aliança de pequenos países-ilha. “Acho que houve questões de confiança, mas não acho que o processo desandou. O que é necessário agora é remendar alguns buracos e, sim, construir um pouco de confiança em torno do resultado da conferência.”

 
(Com reportagem de Gerard Wynn, Richard Cowan e Emma Graham-Harrison e Alister Bull em Washington)

NEWS

Obama: I came here to act “Our ability to take collective action is in doubt,” US President Barack Obama warned the plenary at COP15.

Rie Jerichow

As the fifth speaker, President Barack Obama took the floor in the plenary. He stressed that he did not come to talk, but to act.

Being the world largest economy and second largest emitter of greenhouse gases, America has a responsibility, he said, and added that America would continue to move toward a green economy – “but we will be stronger if we act together,” he said.

He told the heads of state and governments that it is imperative with a “mechanism to review whether we are keeping our commitments, and to exchange this information in a transparent manner.” Without such accountability, any agreement would be “empty words on a page”.

“Mitigation. Transparency. And financing. It is a clear formula – one that embraces the principle of common but differentiated responses and respective capabilities. And it adds up to a significant accord – one that takes us further than we have ever gone before as an international community”, Obama said in his address.

Finally he urged world leaders to “choose action over inaction; the future over the past – with courage and faith, let us meet our responsibility to our people and to the future of our planet”. (Photo: Scanpix/New York Times)

 

Protestors enters the COP-Area with a raft

 / by Kinoki Now!

With much creativity some activists enters the area of the COP15-Summit with a raft. About three people get arrested. Before they entered the area they were attacked by the police with pepperspray while they passing the water by a raft.

Img_9212-medium
 

Img_9211-medium
 

Img_9217-medium
 


 

Img_9234-medium
 

Img_9242-medium
 

Img_9250-medium
Pepperspray attack by the police

Img_9272-medium
 

Img_9274-medium
 

Img_9269-medium
 

Img_9275-medium

 

Icelandic Embassy in Copenhagen Attacked

 by Ieca

Early in the morning of Wednesday the 16th of december the Icelandic embassy in Copenhagen was attacked. The Icelandic government boasts of it’s prowess in the production of “green” energy but there is no such thing as green energy, especially if it is then used for heavy industry.

Dsc03575-medium
green paint

Dsc03577-medium
coat of arms

Dsc03581-medium
green energy – pure lies

Dsc03582-medium
dams and geothermal

Early in the morning of Wednesday the 16th of december the Icelandic embassy in Copenhagen was attacked. A security camera was disabled with spray paint, the Icelandic coat of arms was defaced in the same way, green paint was splashed on the front of the house and on the front door, in large letters, “Green energy – pure lies” and “Nature Killers” was sprayed amongst other thing’s.

The Icelandic government boasts of it’s prowess in the production of “green” energy but there is no such thing as green energy, especially if it is then used for heavy industry. “Green” energy production is just as destructive to our environment as other energy production, the effects are just better hidden. The earth’s ecosystems are suffering because of mankinds actions, this must end.

Copenhagen is covered in propaganda about “green” solution’s and “green” capitalism. But no real change is planned, the solutions are not real solutions, capitalism continues to swallow all life on this earth.

It is clear from the appearance of Copenhagen that green is not the colour of nature, it is the camouflage of capitalism.

Icelander’s beware – your misdeeds will not go unpunished!

 

Climate Protester Clash With Police Outside Bella

 / by Fil Kaler

Thousands of protesters made a concerted attempt enter the Bella Centre to hold a people’s summit. But they were stopped by police manning barricades and scuffles soon broke out. Police baton charged the crowd and fired teargas in an attempt to brake up the protest. At least 200 demonstrators were arrested.

 
 


 


 


 


 


 


 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

UN conference gearing up for make-or-break finale

World leaders “face a defining moment in history”, UN Secretary-General Ban Ki-moon said as the Copenhagen conference formally entered its high-level stage Tuesday.

Morten Andersen

As heads of states and governments were beginning to arrive at Copenhagen, a ceremony Tuesday marked the formal opening of the final high-level stage of the ongoing UN conference on climate change, COP15.

“We know what we must do. We know what the world expects. Our job here and now is to seal the deal, a deal in our common interest,” UN Secretary-General Ban Ki-moon said according to AFP, while adding that the world’s leaders face “a defining moment in history”.

The Secretary-General also said that “three years of effort have come down to three days of action. Let us not falter in the home stretch. No one will get everything they want in this negotiation”.

According to Reuters, Ban Ki-moon labeled the negotiations lying ahead over the next three days as “the most complex and ambitious ever to be undertaken by the world community”.

In her address the conference president, Danish minister Connie Hedegaard, said “In these very hours we are balancing between success and failure. Success is within reach. But (…) I must also warn you: We can fail.” (Photo: Scanpix/EPA)

 

Texto propõe corte de metade das emissões CO2 até 2050

 

COPENHAGUE (Reuters) – O mundo deve reduzir ao menos à metade as suas emissões de gases do efeito estufa até 2050, em comparação aos níveis de 1990, e os países ricos devem liderar esse processo, segundo o primeiro esboço da declaração final da conferência do clima de Copenhague, divulgado nesta sexta-feira.

O documento de sete páginas omite cifras relativas a quantos bilhões de dólares os países ricos devem dar aos países em desenvolvimento para ajudá-los a mudar para energias verdes e enfrentar o impacto do aquecimento global, como a desertificação e a elevação dos níveis do mar.

“As partes devem cooperar para evitar uma perigosa mudança climática”, diz o texto, proposto pelo maltês Michael Zammit Cutajar, que preside as negociações sobre as medidas de longo prazo a serem tomadas por todos os países, como parte da conferência de 7 a 18 de dezembro, que discute as linhas gerais de um novo tratado climático global.

A proposta oferece vários níveis de reduções globais das emissões de gases do efeito estufa, especialmente pela queima de combustíveis fósseis, que podem ser de 50, 85 ou 95 por cento até 2050. Mais de 110 líderes mundiais devem discutir o assunto na cúpula de encerramento do evento, no dia 18.

Os números aparecem entre colchetes, significando que ainda não há acordo a respeito.

“As partes deveriam reduzir coletivamente as emissões globais em pelo menos (50/85/95) por cento em relação aos níveis de 1990 até 2050, e deveriam assegurar que as emissões globais continuem a declinar a partir de então”, diz a proposta.

Para os países ricos, o texto sugere uma redução de 75 a mais de 95 por cento, sempre para o período 1990-2050.

A proposta também contempla uma meta intermediária para 2020, que pode ser da ordem de 25-40 por cento, ou até mesmo de 45 por cento, sempre em relação aos níveis de 1990.

Yvo de Boer, chefe do Secretariado da ONU para as Mudanças Climáticas, disse que os documentos assinalam uma “mudança de passo” nas negociações. “É hora de focar o quadro mais amplo”, afirmou ele a jornalistas.

China, Índia, Brasil e outros países emergentes relutam em aceitar a meta de redução global das emissões pela metade até 2050, por temerem que isso restrinja o seu crescimento econômico. Por isso, exigem metas mais ambiciosas dos países ricos.

“Ainda estamos estudando o texto”, disse Kemal Djemouai, representante argelino que preside o grupo de nações africanas.

O texto diz que os países em desenvolvimento deveriam fazer um “desvio substancial” para reduzir o crescimento das suas emissões até 2020, ou que reduzam esse aumento em 15-30 por cento em relação aos níveis atualmente previstos.

Alden Meyer, da União de Cientistas Engajados, disse que há brechas imensas no texto. “Não creio que os países em desenvolvimento aceitem uma meta global para 2050 sem mais detalhes sobre o financiamento de longo prazo”, disse ele.

Mas ele considerou o documento uma boa base para trabalho futuro.

2020

O texto diz que os países desenvolvidos devem reduzir suas emissões em média em pelo menos 25 a 40 por cento, chegando a cerca de 45 por cento, também em relação aos níveis de 1990.

O comitê de cientistas climáticos da ONU propôs em 2007 um cenário no qual os países desenvolvidos teriam que cortar suas emissões em 25-40 por cento até 2020 para que haja uma chance de limitar os efeitos piores do aquecimento global, como enchentes, ondas de calor e tempestades de areia.

Mas as ofertas colocadas na mesa até agora pelos países desenvolvidos, atingidos pela recessão, totalizam apenas cerca de 14-18 por cento até 2020 em relação aos níveis de 1990.

O texto diz que os países em desenvolvimento, que afirmam precisar emitir mais gases para ajudar a limitar a pobreza, ou devem fazer “um desvio substancial” para desacelerar o aumento de suas emissões até 2020, ou devem reduzir seu crescimento em 15-30 por cento abaixo dos níveis projetados para até 2020.

“O texto fornece uma base para a tomada das decisões políticas corretas”, disse Kim Carstensen, diretora da iniciativa climática global WWF. “Ele contém muitas brechas, expõe divisões, mas também mostra claramente que um acordo é possível”, disse.

“Agora terão que ser tomadas as decisões reais. Isso dará impulso à finalização de um acordo pelos 110 chefes de Estado na próxima semana”, disse Jake Schmidt, do Conselho de Defesa dos Recursos Naturais.

Projeto Rios voadores é apresentado na COP15

 
 

“Nesta fase do projeto
queremos comprovar que o desmatamento da floresta poderá reduzir o transporte de vapor d’água da Amazônia para o Sul e o Sudeste do Brasil. Vamos tentar identificar e quantificar esse fenômeno.”

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 

 Desde os anos 80, Gérard e Margi Moss têm viajado pelo Brasil e pelo mundo afora em aviões leves, a baixa altitude, observando as paisagens da terra e dos mares que passam debaixo de suas asas. Vendo o mundo de cima, perceberam a fragilidade dos rios acuados, o avanço teimoso da desertificação, as feridas abertas pelas queimadas nas florestas, os povos se tornando refugiados ambientais, e resolveram agir.Escolheram especificamente o tema Água. Ironicamente, é do ar que podem “explorar” o ambiente de uma forma diferente, aliando a tecnologia de ponta à geográfica e à aventura de viver.Recentemente, aplicaram os pontos fortes da aviação leve – acesso a regiões remotas, voar baixo, ponto de observação móvel, plataforma fotográfica estratégica – a serviço da causa aquática, trabalhando em parceria com cientistas brasileiras de renome.O céu é um ambiente no qual Gérard fica bem à vontade. Piloto privado com cerca de 5 mil horas de vôo, ele concilia a paixão de voar com a curiosidade técnica de engenheiro para idealizar projetos ambientais nos quais um avião é muito mais eficaz para realizar o trabalho do que uma pessoa em terra. Uma vantagem a mais num país do tamanho do Brasil.Com a experiência rara de ter pilotado duas vezes ao redor do mundo, nas condições mais diversas e adversas, uma presença de espírito calma e metódica ajuda na hora de acariciar as nuvens cumulus-nimbus e coletar amostras em vôo rasante pelos rios longínquos. Ao pousar no final do dia, ele frequentemente solta a frase, “Que bom, não me matei hoje!”Margi, sua esposa, caneta e máquina fotográfica na mão, é companheira nesses vôos audazes e muitas vezes exaustivos. Licenciada em letras, apaixonada pela natureza desde sua infância entre os leões e elefantes quenianos, ela não se incomoda de enfrentar as tempestades pelo caminho ou dormir ao relento.Ela capta imagens visuais que destacam nossos contrastes, imagens às vezes chocantes ou enigmáticas, muitas vezes simplesmente lindas e emocionantes. “É a Natureza que faz as fotos, eu apenas aperto o gatilho,” alega, transformando o visual num escrito carregado de emoções, de forma leve e descontraída, que nos convida a fazer parte de cada momento.Naturalizados brasileiros, eles moraram durante um quarto de século no Rio de Janeiro, no bioma Mata Atlântica. Mudaram-se recentemente para o cerrado de Brasília, no coração do país, de onde nos convidam a entrar nos vôos, participar e descobrir a origem das nossas chuvas trazidas pelos Rios Voadores. 

 

 

Projeto Rios voadores na COP15

Nesta sexta-feira, 11 de dezembro, mais um evento paralelo foi destaque na Conferência do Clima. O projeto Rios Voadores foi apresentado pelo seu coordenador, Gérard Moss , às 11h, no Espaço Brasil, Hall C7, Bella Center.

O objetivo do projeto é entender como funcionam os processos meteorológicos no Brasil, acompanhando a trajetória dos ventos em um pequeno monomotor. No percurso são coletadas amostras do vapor de água que é transportado pelas massas de ar.

 

A quantidade de vapor de água transportada pelas massas de ar existentes de norte a sul do País é um verdadeiro rio que “viaja” pelo céu e que pode chegar a volumes inimagináveis e alcanças a mesma ordem de grandeza da vazão do Rio Amazonas, o maior do mundo, com 200.000 m³ de água por segundo. Por essa razão, o nome do projeto é Rios Voadores.

As informações podem mostrar até que ponto o desmatamento da região amazônica poderá afetar o clima no restante do Brasil e de que forma tal degradação alterará o ciclo hidrológico, principalmente em outras regiões brasileiras. As informações coletadas devem servir para que os modelos usados pelos estudiosos das mudanças climáticas possam validar seus resultados.

Uma segunda apresentação será realizada dia 14/12, às 16h.

» Visite o site do projeto: www.riosvoadores.com.br

 

Mais de 100 países defendem metas climáticas mais rígidas

Por Alister Doyle

COPENHAGUE (Reuters) – Mais da metade dos 192 países que participam das negociações climáticas promovidas pela ONU em Copenhague são favoráveis a metas muito mais rígidas para limitar o aquecimento global do que as defendidas pelos países ricos, disse na segunda-feira um grupo de pequenas nações.
O grupo, composto por países insulares, diz que a elevação do nível do mar pode varrê-los do mapa.
Dessima Williams, chefe da aliança de Pequenos Estados Insulares (Aosis), composta por 43 membros, disse que mais de cem países (contra 86 em agosto) já se comprometeram com a meta de limitar o aumento da temperatura do planeta a no máximo 1,5 grau Celsius acima dos níveis pré-industriais.
“Metade dos países da ONU está pedindo metas ambiciosas e específicas”, disse Williams, de Grenada, em coletiva de imprensa realizada na conferência que reúne até 18 de dezembro 192 países em busca de um novo tratado para suceder o Protocolo de Kyoto.
Os países menos desenvolvidos, sobretudo os africanos, e pequenos Estados insulares são todos a favor da meta de 1,5 grau Celsius, que exigiria reduções nas emissões de gases-estufa dos países ricos de pelo menos 45 por cento até 2020 em relação aos níveis de 1990.
Qualquer acordo que venha a ser fechado em Copenhague terá que ser unânime. O tamanho das reduções de gases-estufa dos países ricos e o valor dos recursos oferecidos para ajudar os países pobres estão entre os principais obstáculos para se chegar a um acordo.
A maioria dos países desenvolvidos e das economias emergentes, liderada por China e Índia, defende a meta de limitar o aquecimento terrestre ao máximo de 2 graus Celsius acima dos tempos pré-industriais. A temperatura já subiu 0,7 grau Celsius e deve subir ainda mais.
“Já estamos vivendo na linha de frente das mudanças climáticas”, disse Williams, acrescentando que a Aosis quer um tratado legalmente compulsório em Copenhague, e não a simples declaração política que é a opção preferencial de muitos países desenvolvidos.
Mesmo com o grau atual de aquecimento terrestre, disse ela, muitas ilhas já “estão sofrendo danos importantes, algumas estão mergulhando no mar e outras estão perdendo suas fontes de água doce”. Alguns recifes de corais estão sendo danificados pelo aumento das temperaturas.
Williams negou as sugestões de divisões entre o grupo de países em desenvolvimento, em meio a uma disputa em torno de uma proposta de Tuvalu, no Pacífico, de pactos fortes e legalmente mandatórios em Copenhague a serem respeitados por todos os países. Ela disse que os membros da Aosis defendem a proposta de Tuvalu em princípio, mas que ainda estão discutindo uma posição comum.
China e Índia defendem reduções legalmente compulsórias das emissões de gases-estufa de países ricos no Protocolo de Kyoto, mas obrigações menos rígidas para os países pobres.
“Uma declaração política de tom nobre em Copenhague, mas sem um resultado legalmente compulsório, seria como um tubarão sem dentes”, disse Barry Coates, porta-voz da ONG Oxfam.
Antonio Lima, de Cabo Verde, vice-presidente da Aosis, disse que a mudança climática era um desastre por acontecer para as nações mais pobres — como a erupção vulcânica do Monte Vesúvio, 2.000 anos atrás, que soterrou a cidade romana de Pompeia.
“Eles não sabiam o que estavam enfrentando. Agora nós sabemos o que vai acontecer. Será o planeta Pompeia”.

Discurso verde de Dilma não convence ambientalistas

Agência Estado

Qui, 10 Dez, 07h30
Às vésperas da viagem da delegação brasileira à Conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Mudanças Climáticas, em Copenhague, a virtual candidata petista à sucessão no Palácio do Planalto, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que vem esverdeando seu discurso com vistas a 2010, assumiu de vez a causa da defesa do meio ambiente. Ela vem declarando que sempre brigou pelo uso de combustíveis renováveis e que é defensora de uma política de desenvolvimento sustentável por meio da expansão da geração hidrelétrica brasileira. A mudança de discurso, entretanto, ainda não convenceu os ambientalistas.
PUBLICIDADE
Na avaliação de especialistas consultados pela Agência Estado, Dilma tem vislumbrado na defesa do meio ambiente apenas uma oportunidade de colher dividendos eleitorais. Os ambientalistas apontam que a ministra ainda não conseguiu dissociar sua imagem pública do imbróglio político que culminou na saída da senadora Marina Silva (PV-AC) do Ministério do Meio Ambiente. As duas entraram mais de uma vez em divergência por conta da concessão de licenças ambientais para a realização de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), como as usinas do Rio Madeira. Marina deixou a pasta em 2008, depois de se sentir desautorizada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que repassou o comando do Plano da Amazônia Sustentável para o então ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger. Desde então, Dilma ficou conhecida como a gerente do PAC.
Para o coordenador de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental da Universidade de São Paulo (USP), Pedro Jacobi, as últimas declarações de Dilma não têm sido “muito convincentes”, uma vez que o governo do presidente Lula costuma adotar posições ambíguas em temas ambientais. “De um lado, o governo se mostra como defensor do meio ambiente em conferências e debates internacionais. De outro, não age com punho firme, dentro do País, na adoção de políticas que defendam o uso de energias renováveis”, critica Jacobi.
O especialista afirma que a ministra nunca demonstrou de “forma explícita” sua preocupação ambiental e ressalta que o tema tem sido tratado pelo governo federal como “vitrine pública”. “Não adianta ficar apenas no discurso”, critica. Jacobi afirma ainda que a Conferência de Copenhague e a entrada da senadora Marina na disputa ao Palácio do Planalto têm obrigado os prováveis candidatos à Presidência da República a abordar o tema ambiental, “mesmo que não carreguem essa bandeira”. “Todos os candidatos vão ter de dizer que defendem o meio ambiente, isso é inegável. É um dos temas de maior relevância na atualidade”, sustenta.
O ex-secretário de Meio Ambiente da Presidência da República e do Estado de São Paulo José Goldemberg afirma não ter dúvida de que o esforço do Palácio do Planalto para familiarizar a ministra Dilma com a temática ambiental “tem cara eleitoral”. De acordo com ele, a posição do governo federal “até três meses atrás” ainda era bastante obscura em relação à adoção de políticas públicas de desenvolvimento sustentável. “Todo esse esforço da Dilma tem cara eleitoral, uma vez que a ministra era caracterizada como a gerentona do PAC”, afirma. “Com a presença da Dilma, Serra e Marina no encontro da ONU, sem dúvida que Copenhague vai ser um dos palcos das eleições de 2010.”
Para o diretor-adjunto da ONG Amigos da Terra – Amazônia Brasileira, Peter May, é conveniente para a ministra adotar um “tom verde” às vésperas das eleições de 2010. “É um momento muito favorável para ela se envolver nessas questões, mesmo tendo tido uma postura desfavorável em relação ao meio ambiente como ministra-chefe da Casa Civil”, afirma. O ambientalista espera que a aparente mudança da ministra no tocante ao meio ambiente gere ações substanciais do governo. “O que se espera é que a ministra desista de alguns projetos de construção de hidrelétricas na Amazônia, por exemplo, e passe a adotar uma agenda ambiental”, afirma.
.

Os países em desenvolvimento estão divididos em suas reivindicações

Estados insulares pequenos e nações africanas, na quarta (09/12) queriam que a Conferência do Clima, ao final estipulasse um acordo juridicamente vinculativo mais severo do que o Protocolo de Quioto. Os países desenvolvidos opuseram-se à proposta.

Marianne Bom
_______________________

 After a highly unusual split within the developing countries’ bloc, the small island state Tuvalu asked for – and got – a suspension of climate negotiations to gain time to resolve the issue behind the scenes on Wednesday
The split appeared after several small island states and poor African states had demanded a legally binding treaty to aim at a maximum global warming of 1.5 degrees Celsius.
They also wanted greenhouse gas concentrations stabilized at 350 parts per million (ppm) rather than the 450ppm favored by developed countries and some major developing nations.

The small islands states and their supporters claimed the existing agreement, the Kyoto Protocol, was not tough enough for the countries most vulnerable to the consequences of climate change.
They wanted a new legally-binding protocol to run alongside the existing Kyoto Protocol.

 The demand was opposed by fast-growing developing economies such as China, India and South Africa, who thought it would retard their economic development, BBC News reports.
“The main task of this (conference) is to adapt an agreed outcome from the Bali Action Plan [agreed in 2007] and we should very much focus on that,” said China’s lead negotiator Su Wei, according to BBC News. “We have a very valid system to combat climate change,” he added.

——-

COP OUT CAMP OUT
…because it’s business as usual in Copenhagen
Climate campers are currently occupying Trafalgar Square in London, as the Copenhagen climate talks get under way. The ‘COP out, Camp out’ started on Saturday after 40,000 people marched through the capital as part of ‘The Wave.’

We are camping, with the Houses of Parliament in view, to highlight that the elitist and undemocratic talks in Copenhagen are part of a political and economic system that puts corporate profits before the needs of people. We need system change, not climate change!
Join us with your tent or pop by for a visit, all are welcome and we will be occupying until the end of COP15!

————

Brasil pode liderar negociação sobre novo acordo climático

O anúncio do compromisso brasileiro de redução, feito há cerca de um mês, derrubou um dos principais argumentos dos países ricos para não apresentarem metas de redução ambiciosas

O Brasil chega à 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15), que começa nesta segunda-feira (7) em Copenhague (Dinamarca), com o compromisso de reduzir as emissões de gases de efeito estufa entre 36,1% e 39,8% até 2020 e o desafio de ser um dos mediadores da divergência entre países desenvolvidos e em desenvolvimento para evitar que a reunião termine em fracasso.

O anúncio do compromisso brasileiro de redução, feito há cerca de um mês, derrubou um dos principais argumentos dos países ricos para não apresentarem metas de redução ambiciosas – o de que os grandes emissores em desenvolvimento também teriam que assumir cortes de gases de efeito estufa. Depois dos números brasileiros, a China e a Índia anunciaram compromissos voluntários de redução. Os Estados Unidos prometeram cortar as emissões em 17% até 2020.

“O Brasil vai chegar em Copenhague com a moral elevada. A pressão da opinião pública fez o Brasil assumir compromissos e influenciar outros países. Nem todos os problemas serão resolvidos [durante a reunião], mas vamos conseguir arrancar recursos para começar programas de mitigação e de adaptação e os países vão assumir compromissos mais fortes”, aposta o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc.

A meta brasileira, voluntária, deve evitar o lançamento de cerca de 1 bilhão de toneladas de gases de efeito estufa na atmosfera até 2020, segundo cálculos do governo. O balanço mais recente de emissões do país, com dados de 2000, mostra que em 15 anos as emissões nacionais cresceram 62%. O desmatamento ainda é o maior vilão, por isso o governo sustenta grande parte da meta no objetivo de reduzir em 80% as derrubadas na Amazônia.

A definição de um instrumento para compensar a redução de perda de carbono pelas florestas, o mecanismo de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD), está na lista de prioridades dos negociadores brasileiros na COP. A inclusão de um mecanismo para florestas no novo acordo climático global é quase certa, mas falta definir como os países que mantêm a floresta em pé serão financiados.

Chefiada pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, que recentemente passou a comandar a discussão climática dentro do governo, a delegação brasileira terá integrantes dos ministérios das Relações Exteriores (Itamaraty), do Meio Ambiente, da Ciência e Tecnologia e da área econômica. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva também já confirmou presença em Copenhague.

O ministro Carlos Minc, que chegou a dizer que a COP-15 corria o risco de “naufragar” por causa da posição reticente dos países em assumir metas e compromissos para costurar um novo acordo, agora acredita que o cenário está mais promissor. “Já estive muito mais pessimista. Havia um grande abismo de desconfiança entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento. Hoje estou mais otimista”, afirmou.

Autor: Luana Lourenço

Fonte: Agência Brasil

———

Por Cristina Leite

Brasil e Alemanha estarão presentes na Conferência de Copenhague e esperam avanços em negociações sobre o clima
 
Na conferência de Copenhague, representantes do Brasil e Alemanha, convocados para chegarem a um acordo de quais serão as medidas necessárias para um novo tratado sobre o clima e elaborar um cronograma para formalizá-lo.
 
O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva admitiu não acreditar que conseguirão chegar ao acordo dos sonhos na conferência de Copanhague que será na próxima semana. Porém, após o encontro a chanceler alemã, Angela Merkel, Lula disse que espera progressos importantes.
 
O objetivo dos líderes é “um acordo sobre tudo o que é necessário para o novo tratado sobre o clima e um cronograma para a concretização”, declararam conjuntamente.
 
Merkel disse aos repórteres que o esperado para o acordo de Copenhague deve ser formalizado “nos próximos meses”. E Acrescentou : “Precisamos de contribuições de todos os países – os naturalmente diferentes, dependendo de suas condições “.
 
A conferência de Copenhague originalmente se destinava a produzir um tratado final contra aquecimento global, mas agora isto parece fora de alcance. A maioria dos líderes agora esperam que pelo menos todos cheguem a um comum acordo, deixando alguns detalhes a serem concluídos posteriormente.
 
Os dois representantes estarão presentes na conferência.
 
 
 
 
Presidente Lula diz “Desculpe, nós poderíamos ter impedido mudanças climáticas catastróficas… mas não impedimos”
 

——–

O que será um sucesso em Copenhaga?

Viriato Soromenho

www.aregradojogo.blogs.sapo.pt

de A regra do Jogo

Os indicadores de sucesso para a Conferência de Copenhaga vacilam entre dois acontecimentos recentes.

Em primeiro lugar, o facto muito positivo de todos os principais países emissores de gases com efeito de estufa, tanto do mundo desenvolvido, como do mundo em desenvolvimento (com a excepção da África do Sul), terem apresentado já metas de redução das suas emissões (para os desenvolvidos), ou de redução do crescimento das suas emissões em relação ao cenário de linha de base (cenário de crescimento (business as usual), tendo por horizonte o ano 2020. Esse facto, coroado pelo anúncio de que o Presidente Obama irá, afinal, participar na Cimeira no dia decisivo, a 18 de Dezembro, fazem aumentar as esperanças de se atinja um qualquer tipo de acordo em Copenhaga, mesmo que a sua formalização só ocorra já em 2010.
O segundo acontecimento, constitui a entrevista ao Guardian do grande cientista norte-americano, James Hansen, sugerindo que seria preferível Copenhaga falhar do que obter um mau acordo. Respeito profundamente James Hansen, que tenho o prazer de ter escutado em conferências internacionais. Trata-se de um cientista de génio, e um homem bom e corajoso. Mas não posso concordar com ele.
O hiato entre o que os consensos científicos propõem e o que é politicamente possível fazer, é uma realidade incontestável. Temos talvez uma década para impedir uma alteração climática com consequências catastróficas. Mas, assim como há um ciclo natural do carbono, há também um ciclo político, no qual se alimenta a vontade que gera as grandes transformações.
Um acordo, em Copenhaga, mesmo que neste momento seja humilde, vai ter um efeito multiplicador sobre os múltiplos actores sociais, sobre o funcionamento dos mercados, sobre a inovação tecnológica e os fluxos de investimento. Vai criar condições para que, muito antes de 2020, e sob o impacte de novos dados científicos (nomeadamente sobre o comportamento da criosfera), as metas de mitigação possam ser revistas, adequando com isso o conselho da ciência e a prudência política.
Uma ausência de acordo, pelo contrário, provocaria, com quase toda a certeza, a entrada num incerto contra-ciclo, onde a irresponsabilidade ambiental e o proteccionismo económico em tempos de recessão, fariam uma perigosa combinação que urge, de todo evitar.
Carlos Santos

www.ovalordasideias.blogspot.com  

OBAMA JOINS UN CONFERENCE AT CRUCIAL MOMENT

US President Barack Obama is shifting the timing of his visit to the international climate summit in Copenhagen as prospects for a political agreement at the event seem more likely.
____________________________________________
 
 
 
 

 

AP/Michael von Bülow
from UNCC
 
 
 
 

 

____________________________________________
The US, India and China all have specific proposals on the table for the first time, and world leaders are aiming for a deal that includes commitments on reducing emissions and financing for developing countries. They no longer expect to reach a legally binding agreement, as had long been the goal.
 
 
 
 

 

Obama is hoping to capitalize on steps by India and China and build a more meaningful political accord, the White House said.

The move means Obama will be at the summit on Dec. 18, considered a crucial period when more leaders will be in attendance, as opposed to his scheduled stop in Denmark on Wednesday on his way to receive the Nobel Peace Prize in Oslo.

Danish Prime Minister Lars Løkke Rasmussen promptly welcomed the US President’s decision. In a statement issued Saturday, Løkke said Obama’s attendance was “an expression of the growing political momentum toward sealing an ambitious climate deal in Copenhagen”.

“President Obama’s strong commitment on the issue of climate change and his global leadership is pivotal to the negotiations in Copenhagen. I look very much forward to welcoming president Obama in Copenhagen alongside other world leaders,” he said.

Obama will now leave for Oslo late Wednesday, attend Nobel events Thursday and return to Washington on Friday.

The president had said that he would travel to the Copenhagen conference if his appearance would help clinch a deal. His decision to go early to the two-week meeting had been seen by many as a sign that an agreement was still a long shot.

The possibility of an agreement may be improving, however.

“There are still outstanding issues that must be negotiated for an agreement to be reached, but this decision reflects the president’s commitment to doing all that he can to pursue a positive outcome,” White House press secretary Robert Gibbs said in a statement. Gibbs said the US will have negotiators involved throughout the Dec. 7-18 conference.

Danish officials say more than 100 world leaders have confirmed they will attend the final stages of the Copenhagen conference.

————

Cabinet meeting at Mt. Everest

 

Nepal’s top politicians strapped on oxygen tanks Friday and held a Cabinet meeting amid the thin air of Mount Everest to highlight the danger global warming poses to glaciers.
_____________________________________________
AP/Marianne Bom
from UNCC
____________________________________________
 

 

04/12/2009 19:10
Scientists say the Himalayan glaciers are melting at an alarming rate, creating lakes with walls that could burst and flood villages below.
 
 
 
 

 

On Friday, to highlight the danger that global warming poses to glaciers, Nepal’s government held a Cabinet meeting at Mt. Everest – a stunt the government billed as the world’s highest Cabinet meeting. The ministers posed for pictures, signed a commitment to tighten environmental regulations and expand the nation’s protected areas, and then quickly flew away.

“The Everest declaration was a message to the world to minimize the negative impact of climate change on Mount Everest and other Himalayan mountains,” Prime Minister Madhav Kumar Nepal later said.

The Prime Minister, his two deputy prime ministers and the 20 Cabinet ministers were examined by doctors before boarding helicopters to Kalapathar, a flat area at an altitude of 17,192 feet (5,250 meters) next to Everest base camp, the jumping point for climbers seeking to scale the peak.

The Cabinet spent only 20 minutes next to the mountain to prevent any of the ministers, unused to the heights of the Himalayas, from getting altitude sickness.

Several of the ministers were overweight, some were in their 70s and many came from the low-lying plains in the south. Four ministers declined to attend either because of health concerns or because they were traveling abroad.

Nepal’s negotiation team at the climate conference in Copenhagen next week will push for wealthy countries to commit 1.5 percent of their earnings to help poorer nations protect the environment. (Photo: Scanpix/AFP)

—————

 

THE ESSENTIALS IN COPENHAGEN

Rather than getting every small detail of a new global climate treaty done in Copenhagen, UN climate chief Yvo de Boer hopes the conference will reach agreements on four political essentials.

Bülow

The UN climate conference in Copenhagen in December this year may not yield a new global climate treaty with every minor detail in place. But hopefully it will close with agreements on four political essentials, thereby creating a clarity the world – not least the financially struck business world – needs.

The wish for clarity is expressed by Yvo de Boer, executive secretary of the United Nations Framework Convention on Climate Change (UNFCCC), in an interview with Environment & Energy Publishing (E&E). According to Yvo de Boer, the four essentials calling for an international agreement in Copenhagen are:

1. How much are the industrialized countries willing to reduce their emissions of greenhouse gases?

2. How much are major developing countries such as China and India willing to do to limit the growth of their emissions?

3. How is the help needed by developing countries to engage in reducing their emissions and adapting to the impacts of climate change going to be financed?

4. How is that money going to be managed?

“If Copenhagen can deliver on those four points I’d be happy,” says Yvo de Boer.

He sees a need to get something signed and agreed in Copenhagen, but he thinks it will be very difficult to get every final, small detail of a whole new treaty done. The new climate treaty will be replacing the Kyoto Protocol which was adopted in Kyoto, Japan, in December 1997 and entered into force on 16 February 2005.

The Kyoto Protocol which sets binding targets for the reduction of greenhouse gas emissions has been signed and ratified by 184 parties of the UN Climate Convention. One notable exception is the United States, and Yvo de Boer is “really happy” to see the US back in the international climate change process and that the US is also engaging domestically in the process.

“My big lesson from the Kyoto era is that it’s really important that the government delegation that represents the United States is in close touch with the Senate, with the elected officials on what’s acceptable and what’s not,” says de Boer, and he adds:

“I think that a major shortcoming of Kyoto was that the official delegation came back with a treaty they knew was never going to make it through the Senate. And this time I have the feeling that the communication is much stronger, that the Senate Foreign Relations Committee, through John Kerry, is really expressing strongly what they feel needs to be done in Copenhagen.”

Yvo de Boer thinks the Kyoto Protocol was rejected by the US for mainly two reasons. Firstly, because it did not involve action on the part of major developing countries. Secondly, because it was felt by the Bush administration that Kyoto would be harmful to the US economy.

Copenhagen will be a whole different scenario, and de Boer feels confident that President Barack Obama can successfully engage China and India and convince them to sign the next treaty.

“I think that Secretary of State Clinton’s visit to Beijing was a really important and encouraging step to get us moving on that road,” says Yvo de Boer.

Asked about the global recession, de Boer thinks it will certainly have an impact on the negotiations in Copenhagen.

“You see already that investments in renewable energy projects are going down, partly because of the oil price going down and partly because of the economic activity going down,” he says.

But even though greenhouse gas emissions are expected to slow down as a result of shrinking industrial activities, de Boer does not believe it will lessen the pressure on countries to act and sign a new treaty.

“I get the impression talking to business people that they still want clarity from Copenhagen. If you’re making investments now, for example in the energy sector, in power plants that are going to be around for the next 30 to 50 years, you can’t really afford to keep waiting and waiting and waiting for governments to say where they’re going to go on this issue.”

A UMA SEMANA DA CONFERÊNCIA ESPECIALISTAS DISCUTEM CLIMA

 

DA AGÊNCIA BRASIL

Em meio à expectativa para a 15ª Conferência das Partes da Convenção do Clima (COP-15) que começa na próxima segunda-feira (7) em Copenhague, na Dinarmarca, especialistas das áreas de ciência e tecnologia, agricultura e meio ambiente se encontraram hoje (1º) para reunir as principais questões do Brasil sobre o tema.

Para a secretária de Mudanças Climáticas do Ministério do Meio Ambiente, Suzana Kahan, o Brasil está empenhado no desenvolvimento de políticas de sustentabilidade para chegar à meta de redução entre 36,1% e 39,8% as emissões de gases de efeito estufa até 2020.

“O equilíbrio que foi constituído aqui no Brasil, será um importante papel para estruturar as políticas de preservação ambiental e redução nas emissões de poluentes.”

A finalidade do debate no Ministério de Ciência e Tecnologia foi mostrar como o países, (principalmente o Brasil), desenvolverão seus recursos de forma sustentável para contribuir na redução dos gases poluentes nessa etapa considerada o segundo momento do Protocolo de Kyoto.

Na agricultura e pecuária há uma expectativa de recuperar áreas devastadas a partir da transferência de tecnologia, (reduzir o desmatamento e melhorar a produção do gado), segundo Eduardo Assad, pesquisador da empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Ele ainda explica que são medidas de certo modo, tímidas, mas que serão possíveis de estabelecer e cumprir até 2020.

O diretor-geral do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), Gilberto Câmara, apresentou um panorama dos principais países que participarão do encontro em dezembro. Alguns descrevem números expressivos na redução de gases poluentes, como o próprio Brasil. Estados Unidos se propõe a uma redução 4%, enquanto a Índia não ofereceu nenhuma proposta, pois entende que não é responsável pela emissão de poluentes e precisa atender a demanda populacional.

Gilberto explica que a COP-15 trará uma reflexão geral aos principais países emissores de gás carbônico e que, a partir de articulações, a finalidade é encontrar soluções viáveis para gerar desenvolvimento e sustentatibildade. “A grande questão do encontro será mostrar que é possível ter crescimento com responsabilidade ambiental de forma inteligente e construtiva.”

A principal meta da COP-15 é pressionar países que não aderiram ao Protocolo de Kyoto na década de 90 e tenham uma grande responsabilidade na emissão de poluentes.

 

CRONOLOGIA DAS COP’S

COP 1 – 1995 (Berlim , Alemanha)
Berlim, marcou o início do processo de negociação de metas e prazos específicos para a redução de emissões de gases de efeito estufa pelos países desenvolvidos. Sugeri-se a adoção de um protocolo de intenções, onde cada país iria fixar metas em prazos determinados.
 
 
 
 

 

COP 2 – 1996 (Genebra, Suíça)
É acordada a criação de obrigações legais de metas de redução por meio da Declaração de Genebra.
 
 
 
 

 

COP 3 – 1997 (Quioto, Japão)
Culminou com a adoção do Protocolo de Quioto, que estabelece metas de redução de gases de efeito estufa para os principais emissores, chamados “Países do Anexo I”.
 
 
 
 

 

COP 4 – 1998 (Buenos Aires, Argentina)
Com o Plano de Ação de Buenos Aires deu-se efetividade ao Protocolo de Quioto.
 
 
 
 

 

COP 5 – 1999 (Bonn, Alemanha)
Deu continuidade aos trabalhos iniciados em Buenos Aires.
 
 
 
 

 

COP 6 – 2000 (Haia, Holanda)
As negociações são suspensas pela falta de acordo entre, especificamente, a União Européia e os Estados Unidos, em assuntos relacionados a sumidouros de carbono e às atividades de mudança do uso da terra.
 
 
 
 

 

COP 6 ½ e COP 7 – 2001 (2ª fase da COP 6 foi feita em Bonn, Alemanha), (COP 7- Marrakech, Marrocos)
As negociações são retomadas, porém, com a saída dos Estados Unidos do processo de negociação, sob a alegação de que os custos para a redução de emissões seriam muito elevados para a economia americana. Os EUA também contestaram a inexistência de metas para os países em desenvolvimento.
 
 
 
 

 

COP 8 – 2002 (Nova Delhi, Índia)
Iniciou discussão sobre o estabelecimento de metas para uso de fontes renováveis na matriz energética dos países.
 
 
 
 

 

COP 9 – 2003 (Milão, Itália)
Entra em destaque a questão da regulamentação de sumidouros de carbono no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL).
 
 
 
 

 

COP 10 – 2004 (Buenos Aires, Argentina)
São aprovadas as regras para a implementação do Protocolo de Quioto e discutidas questões relacionadas à regulamentação de projetos de MDL de pequena escala de reflorestamento/florestamento, o período pós-Quioto e a necessidade de metas mais rigorosas.
 
 
 
 

 

COP 11 – 2005 (Montreal, Canadá)
Primeira conferência realizada após a entrada em vigor do Protocolo de Quioto. Pela primeira vez, a questão das emissões oriundas do desmatamento tropical e mudanças no uso da terra é aceita oficialmente nas discussões no âmbito da Convenção.
 
 
 
 

 

COP 12 – 2006 (Nairóbi, África)
Representantes de 189 nações assumem o compromisso de revisar o Protocolo de Quioto, e regras são estipuladas para o financiamento de projetos de adaptação em países pobres. O governo brasileiro propõe oficialmente a criação de um mecanismo que promova efetivamente a redução de emissões de gases de efeito estufa oriundas do desmatamento em países em desenvolvimento.
 
 
 
 

 

COP 13 – 2007 (Bali, Indonésia)
Pela primeira vez a questão de florestas é incluída no texto da decisão final de uma conferência, com recomendação para que seja considerada no próximo tratado climático. Nessa reunião, foi criado o Bali Action Plan (Mapa do Caminho de Bali), no qual os países passam a ter prazo até dezembro de 2009 para elaborar os passos posteriores à expiração do primeiro período do Protocolo de Quioto (2012).
 
 
 
 

 

COP 14 – 2008 (Poznan, Polônia)
Países em desenvolvimento emergentes, como Brasil, China, Índia, México e África do Sul sinalizaram uma abertura para assumir compromissos na redução das emissões de carbono, embora não tenham falado em números. Os países desenvolvidos não colocaram nenhuma proposta concreta na mesa. Especialistas consideraram que as discussões foram lentas diante da urgência de se estabelecer um novo acordo global.
 
 
 
 

 

Do Portal COP 15

 

 

CHINA SETS TARGET TO CUT CARBON INTENSITY

World’s largest polluter decouples economic growth from growth in greenhouse gas emissions in new plan. Prime Minister Wen Jiabao will take part in the Copenhagen climate conference.AP/Marianne Bom (article updated)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

China announced plans Thursday to cut its carbon emissions by up to 45 percent as measured against its economic output – a target aimed at keeping its surging growth while still reining in pollution.

According to the State Council announcement, China pledges to cut carbon intensity – carbon dioxide emissions per unit of gross domestic product – by 40 to 45 percent by 2020, compared with 2005 levels.

The goal does not mean that China will cut its total carbon emissions by 2020. Given the expected growth in its economy, its global warming emissions should increase over the next decade – but at a much slower pace than if China had made no changes.

China is the world’s largest emitter of greenhouse gases believed to cause global warning.

India, the world’s fifth-biggest greenhouse gas emitter, has proposed a similar policy to link emissions to growth in gross domestic product.

China’s State Council said the improvements would come through better research and development, clean coal technology, advanced nuclear energy and better transportation systems. Tax laws and regulations will also be changed to encourage energy efficiency.

China announced earlier that Premier Wen Jiabao will take part in the Copenhagen conference.

Despite setting a target on carbon emissions, China is not expected to accept an international treaty that sets a binding target for it.

Yu Jie, head of policy and research programs for The Climate Group China, a non-governmental group, describes China’s 45 percent target as “quite aggressive”.

Leader of WWF Global Climate Initiative, Kim Carstensen, says that “a 40-45 percent reduction in China’s carbon intensity from business as usual projections is far from trivial.”

“Given the size of China’s economy, the decoupling of China’s economic growth from growth in emissions is one of the most important factors that will determine whether the world can get on course to keep temperature rise below two degrees Celsius,” says Carstensen.

UN climate chief Yvo de Boer says in a comment that “the US commitment to specific, mid-term emission cut targets and China’s commitment to specific action on energy efficiency can unlock two of the last doors to a comprehensive agreement” in Copenhagen.

Connie Hedegaard, Danish Minister for the UN climate conference says that “it is new and very encouraging that China comes forward internationally”.

“Now it is clear to the world: The Copenhagen deadline works. One by one, governments from all over the world are delivering before the climate conference next month. This is good news. However, we must analyse more carefully what the new Chinese announcement translates to when it comes a percentage for deviation from business as usual,” she says.
—————————————————————————————————————————————————————-
 
 
 
 

 

Toward a Stalemate in Copenhagen

How Industry Pressures and National Agendas Dim Prospects for a Climate Treaty

By Marianne Lavelle

(from ICIJ)

Story Sections

Washington

In the poor, but mineral-rich mountains of the eastern United States known as Appalachia, coal millionaire Don Blankenship hosts a rally for “Friends of America” to hear country music and “learn how environmental extremists and corporate America are both trying to destroy your jobs.”

On the other side of the globe, with an eye on his venture in an Australian port town known both as a gateway to the Great Barrier Reef and a smokestack industry haven, aluminum billionaire Oleg Deripaska battles that nation’s program to address climate change as “destructive for jobs, destructive for new and existing investment.”

And in China, ambitious renewable electricity plans look like an important step toward tackling global warming, but progress lags due to built-in and deeply entrenched favoritism for cheaper fossil fuel. “There’s no need for anyone to get over-excited,” says Lu Qizhou, the government appointee who heads China’s big power industry group. Change from the coal-fired energy system will be slow and won’t outpace “the market’s ability to cope.”

Around the world the story is the much same. Wherever nations have taken the first modest steps to stave off a looming environmental calamity for future generations, they’ve triggered a backlash from powers rooted in the economy of the past. Opponents of climate action may have different methods as they pressure different capitals, but the message is consistent: Be afraid that a cherished way of life may be lost. Be afraid that a better standard of living will never be had.

From Kyoto to Copenhagen

Those fears will be center stage as negotiators from 192 nations gather in Copenhagen this December to forge one of the most challenging multi-national agreements ever. The daunting task: to reduce the pollution that the scientific consensus says has imperiled the planet — emissions from the burning of oil, coal, and gas that have fueled all economic development since the Industrial Revolution.

U.S. climate envoy Todd Stern, testifying before a House panel in September, will likely go to Copenhagen without firm commitments, as Congress continues to grapple with legislation to cut emissions. Credit: Jim Lo Scalzo

The world, of course, already has a plan in place to cut carbon dioxide and other greenhouse gases — an agreement reached at Kyoto, Japan in 1997. But that deal was marked by the decision made early on that developing countries, like China and India, where millions of people still lived without electricity, would not have binding obligations to reduce emissions. That accommodation was made in recognition of the need to eradicate poverty in countries where per capita emissions remain low, and that the bulk of greenhouse gases already in the atmosphere came from countries that grew wealthy in fossil-fueled economies. But as a result, Kyoto simply exempted the largest future source of the problem; the International Energy Agency projects that 97 percent of the increase in global emissions between now and 2030 will come from developing countries. And Kyoto’s rich-poor nation divide on obligations made it politically impossible to get the United States — the largest historic source of greenhouse gas emissions — to agree to participate.

Kyoto always was seen as just a first step, with new negotiations needed on a second phase of commitments to begin in 2012. But those talks for a new global warming agreement at Copenhagen have become freighted with significance, due to hope for both new leadership from the United States and for better ideas on how to bridge the gap between the world’s haves and have-nots. “Copenhagen is not just about negotiations, it’s a political policy event that will have a big impact on global consciousness on the state of climate change,” says Rafe Pomerance, president of the U.S. non-profit Clean Air-Cool Planet and a former climate negotiator as deputy assistant secretary of state during the Clinton Administration. “It’s so big that it’s driving activity all over the world. And the process itself is almost as important as the outcome.”

It was in anticipation of Copenhagen that the leaders of the developed countries known as the Group of Eight (or G8) pledged at their July meeting in Italy to work to keep temperatures from rising more than 3.6 degrees Fahrenheit (2 degrees Celsius) over pre-industrial levels. Beyond that threshold lie grave dangers for civilization, says the Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC), the United Nations network of more than 2,000 scientists that reports the consensus view of peer-reviewed science. Risks include global sea-level rise, drought that reduces world food supply, loss of fresh water, and increased wildfire, insects, and disease.

The Global Lobby: Vested Interests

Climate Goals Fall Short

Developed countries should cut greenhouse gas emissions 25 to 40 percent below 1990 levels by 2020 in order to avoid the worst effects of climate change, the Intergovernmental Panel on Climate Change says. So far, the aims are for far more modest cuts. Here’s a look at how much some countries might cut their emissions. Click on a country or region for more information.

Australia — 4 to 14 percent

Prime Minister Kevin Rudd in May announced a 25 percent cut, contingent on other countries stepping up to a similar effort. Otherwise, he pledges a cut of 5 to 15 percent below 2000 levels, which is slightly less when measured against the 1990 benchmark.

Canada — 3 percent

The goal announced is a 20 percent reduction from 2006 levels, but because burgeoning energy-intensive oil production from the Alberta oil sands has raised that nation’s greenhouse gas emissions substantially, that amounts to 3 percent below 1990 levels.

European Union — 20 percent

Seen as the most ambitious target, the package nevertheless allows a large amount of the cuts to be made cheaply through investments in developing countries, a process known as “offsets.” Environmental critics have calculated the actual level could be as low as 4 or 5 percent.

Japan — 25 percent

Prime Minister Yukio Hatoyama reversed his predecessor’s weaker stand and endorsed a 25 percent cut. But he raised doubts by making the goal contingent on commitments to reductions from other major polluters — not likely from developing countries at Copenhagen.

United States — 4 to 7 percent

Both the House-passed 17 percent cut and the legislation under consideration in the Senate that would enact a 20 percent cut use 2005 as the baseline year. Those amount to 4 and 7 percent below the 1990 benchmark, respectively.

Developing countries

These countries would have to take steps to achieve “substantial deviation” from their current upward trend in emissions by 2020, the IPCC said. IPCC scientists since have quantified that as a 15 to 30 percent reduction from the high levels those emissions now are on track to hit. But Brazil, China and India, like other developing countries, have set no numerical goals for reduction from so-called “business as usual” emissions, maintaining they have no binding obligations under the treaty.

The G8 agreed that emissions should be cut 80 percent or more below 1990 levels by 2050, in line with IPCC targets, but the world leaders declined to name any short-term goals. And the IPCC views near-term action as crucial. In fact, it specifies that global emissions — which have been inexorably rising — should begin to fall by 2015 if the world hopes to stabilize the atmosphere. (Even that stabilizing point — at 450 parts per million (ppm) carbon dioxide — is well below the more aggressive target of 350 ppm that NASA scientist James Hansen and demonstrators around the world have called for.)

In fact, none of the emissions reduction targets for Copenhagen announced so far by wealthy countries meets the 25 to 40 percent below 1990 levels by 2020 that the IPCC said would be necessary to achieve stabilization. (See “Climate Goals Fall Short” to the right.) The cuts being eyed in the United States and Canada, for example, are just a few points less than a bare return to 1990 levels. Australia, Japan, and the European Union have voiced a willingness to do more, but contingent on action from other nations. Japan, especially, has an eye on the developing world. And that’s the crux of the stalemate, because China, India, and the other developing nations refuse binding emissions reductions.

This climate deadlock is nearly always framed as the clash between the national interests of wealthy countries that want to maintain their standard of living and the national interests of developing countries that need to lift millions out of poverty. But the arguments of the rich and poor nations actually have the same underpinning — that cheap fossil-fueled energy and other carbon-intensive activities like deforestation are keys to economic success. And all of those governments — no matter how far north or south — are feeling the pressure of the interests that have mobilized to keep this conviction alive.

In China, for instance, wind turbines rising against the Xinjian Province mountains have become an iconic image of that country’s growing commitment to cleaner energy. Severe crippling ice storms that marred Chinese New Year in early 2008 touched off a national dialogue on climate change. The government’s goal is to achieve 20 percent renewable power by 2020, on the road to which it has doubled its installed wind power in each of the past four years. But China is also building coal plants so fast that it still gets just one percent of electricity from wind. The reality is that only one of the top 10 power companies — all of them state-owned enterprises — will meet the government’s interim goal of three percent renewables by 2010. The power company executives, all quasi-governmental officials, have resisted proposals to help renewables by raising the price of coal. “There don’t need to be ‘lobbyists’ when discussions can happen directly through the Party,” says Beijing-based political commentator Zhao Jing.

The pressure is less subtle in democratic developing countries. For example, Brazilian President Luiz Inacio Lula da Silva recently said he will go to Copenhagen with an offer to reduce the pace of deforestation in the Amazon rain forest — one of the world’s most important natural absorbers of carbon dioxide — by 80 percent by 2020. But Carlos Minc, Lula’s environment minister, who has hands-on responsibility for the policy, has faced an onslaught from the powerful agriculture industry and its allies in elected office who want to maintain free rein on land use. One governor even threatened him with rape. “Many of those industries talk about zero deforestation, but when we press them they want to kill us, or make speeches declaring me persona non grata,” he says. “They call me to speak in the Senate or the House and I stay for five hours under a massacre. They’re favorable to zero deforestation, provided it doesn’t affect …their own land.”

Rich Man, Poor Man

The principle that developing countries shouldn’t have binding treaty obligations is dearly held by businesses that have the ear of government in those nations. In Delhi, India, Bharat Wakhlu, resident director of the powerful Tata Group — that nation’s largest business conglomerate with nearly 100 companies from power generation to autos — says the company recognizes it has a role in addressing global warming. But, he added, “We believe in a ‘common but differentiated’ approach, as we have to retain our competitiveness as well as ensure the planet is safe.” United Nations climate change convention documents dating back as far as 1992 use the phrase “common but differentiated” to describe the responsibilities of rich and poor nations; the key differentiation has been that only wealthy nations need to cut emissions.

Juan C. Mata Sandoval, Mexico’s top climate official and a negotiator for Copenhagen, is frank that one of the business lobby’s chief concerns has been that his nation remain a “non-Annex 1” country — one without required emissions cuts. “We need to communicate with them constantly to explain how the negotiations are going,” he said. “The private sector also wants a voice and an opinion on how much is Mexico going to put on the table.”

But in its own way, Mexico — like China, India, and Brazil — is addressing climate change. Mexico has a national climate change plan with 86 specific goals it says will slow the growth of its carbon emissions, now at about 700 megatons a year, by about 50 megatons by 2012. In absolute terms, Mexico’s carbon output would still rise in the short term, but the country also has mapped out a long-term pathway to reduce its emissions — if it receives technical and financial support from developed countries. Mexico has proposed a global Green Fund to which all nations would contribute based on a formula that takes into account all the factors that have divided rich and poor nations — both historical and current emissions, both gross domestic product and population.

It’s just one of the ideas that have been floated for breaking the climate stalemate. The idea of “nationally appropriate mitigations actions” — cuts that make sense given a country’s state of development — was actually included in the roadmap for the Copenhagen talks that was adopted in Bali in 2007. Experts credit the Center for Clean Air Policy (CCAP), a Washington non-profit that has been working to bridge the rich-poor nation climate divide, for promoting the concept. In dialogues with 30 developing countries, CCAP found that many were taking steps to reduce electricity use and increase renewable power. “They had all these things they were doing on their own — not for money from [developed countries] but for good reasons in their own countries,” says CCAP President Ned Helme. “We were trying to figure out a way to build on that momentum.”

China’s wind turbines are a symbol of the government’s growing commitment to renewable energy, but the country still gets just one percent of its electricity from wind. Credit: Photo used under Creative Commons from Kaj Iversön

South Korea and South Africa have proposed a system for harnessing that progress by tracking the actions by developing countries. Numerous world leaders have been working on ways that moves by the developing world could be made measurable, reportable, and verifiable so they can be built into an international agreement. U.S. climate negotiator Todd Stern sees these developments as cause for optimism, even while many view the Copenhagen talks as on a path toward stalemate. “All the major economies are prepared to lay down significant low-carbon development plans,” he said at a recent U.S.-India energy forum in Washington. “This is big news. It’s never happened before. It’s important stuff.”

But it’s a headline that hasn’t registered in the climate politics of the United States or other developed nations. Europe has a history of green party political power not found across the Atlantic, and on paper it has ambitious climate goals for 2020. But the actual emissions cuts contemplated within the E.U.’s borders were significantly reduced due to lobbying by heavy industries that protested they would face unfair competition from the developing world, especially amid the economic downturn.

Those themes are echoed by representatives of the so-called BINGOs, the Business and Industry Non-Governmental Organizations, that attend the negotiating sessions all over the world and have been a permanent presence in the United Nations’ efforts on climate change for more than 20 years. These climate uber-lobbyists aren’t there to make a hard-sell pitch, but to get to know the key players who congregate around the treaty talks, to ease their way into more specific policy discussions back home, where the real decisions are made. “We loiter,” John Scowcroft of the European Union of the Electricity Industry remarked at the recent talks in Bangkok. “It’s loitering with intent.”

Back home, manufacturing powerhouses like the aluminum industry of Australia argue they will lose jobs if developing country competitors like China don’t face the same regime of emissions cuts. Such business opposition helped defeat climate legislation in the Australian Senate in August, even though polling showed a majority of citizens favored it.

“An Epic Struggle”

Climate change is blamed for extreme weather plaguing Australia this year, including deadly wildfires, epic drought, and dust storms that turned the sky into a red glow. Credit: Sydney Morning Herald.

The business lobby has not been shy about pressing its views in Australia. The top 20 companies that are expected to receive assistance from the Australian government to reduce emissions employ 28 lobbying firms. More than half the lobbyists are former politicians, senior government bureaucrats, or political advisors. The business lobby has to be strong indeed to slow climate progress in Australia, the hottest and driest continent on earth, which is amid a years-long drought that contributed to deadly wildfires and is watching its climate-stressed tourism jewel, the Great Barrier Reef, on course to be “functionally extinct” by 2050. The administration of Prime Minister Kevin Rudd, whose first official act in office in 2007 was to ratify Kyoto, is working with opponents on business-friendly amendments aiming to build support for a new vote on the legislation before Copenhagen.

In the United States, the Senate also is advancing its climate legislation in the Copenhagen run-up, but popular support for the measure is easily shaken. Although a Washington Post/ABC News poll showed that three quarters of the Americans think the federal government should regulate greenhouse gases, only 52 percent supported the cap-and-trade program policymakers have chosen to address the problem. Only 44 percent said they would back a cap-and-trade system if it boosted monthly electricity bills by $25. Forty-four percent of Americans rated global warming as a “very serious” problem in the Pew Global Attitudes Project poll, putting the United States near the bottom of 25 nations surveyed, along with fellow major polluter China, at 30 percent. Some 90 percent of Brazilians, 68 percent of the French population, 67 percent of people in India, and 65 percent of Japanese viewed the issue as “very serious” in the international survey. A poll by the Pew Research Center for the People & the Press found roughly half of Americans favor setting limits on carbon emissions and making companies pay for their emissions, even if this may lead to higher energy prices. But the poll’s strongest finding was that the issue had not even registered with the public, with 55 percent said they had heard nothing at all of Congress’s efforts to address the problem.

If the public is unaware, more than 1,150 companies and advocacy groups are very tuned in, and they have deployed about 2,810 climate lobbyists to Capitol Hill, an increase of more than 400 percent from six years earlier, according to an analysis of disclosures filed with the Senate Office of Public Records. Spending on the lobbying this year so far in the United States is at least $47 million. Senate advocates aim to build support much as it was achieved in the legislation that narrowly passed the House this summer — by giving a boost to businesses that fear they’ll be hurt by measures raising the cost of the coal that supplies half the nation’s electricity. But the concessions have not won over opponents like Don Blankenship, chief executive of Massey Energy, the largest coal producer in central Appalachia, who forcefully disputes the science of global warming. Although that makes him an outlier in the public debate, his argument that the bill will cost jobs at the same time “it will increase global pollution by moving production to unregulated countries like China” causes worry on Capitol Hill.

Blankenship is just one of the business opponents who have worked to rally citizen ire — a campaign that has resulted in hundreds of alarmed phone calls to Senate offices. Given the power of industry lobbying in Washington, advocates see the best hope for the legislation’s passage as the competing U.S. businesses that support action, ranging from power companies that want predictable energy policy to high-tech firms that aim to market climate solutions.

Dan Reicher, director of climate change and energy initiatives at Google, who also was a member of President Barack Obama’s transition team, is confident climate action can gain support in the U.S. Congress, if it has plenty of flexibility and opportunity for businesses. But he is under no illusions it will be easy. “It shouldn’t be a surprise to anyone that there’s a major proportion of our economy that’s built around traditional energy supplies, and would indeed feel some impact from controlling carbon emissions,” he says. “So that’s what has to be sorted out politically.” At a recent conference in Washington on energy efficiency — a pursuit Google aims to advance by providing people real-time home electricity information — Reicher summed up the climate change politics succinctly: “This is going to be an epic, epic struggle.”

 
 
 
 
 

 

 
 

———————————————————————————————-

O derretimento de Copenhague

Da Revista Polo Digital

Capitaneados pelos presidentes dos Estados Unidos e da China, Barack Obama e Hu Jintao, líderes de 21 países que despejam na atmosfera terrestre 60% das substâncias responsáveis pelo aquecimento global decidiram, numa reunião em Cingapura, que a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, marcada para dezembro em Copenhague, deverá terminar sem um novo tratado internacional com metas compulsórias de redução das emissões dos chamados gases estufa – o objetivo original do evento.
Em seu lugar, os 192 governos participantes assinariam uma declaração de intenções politicamente vinculante sobre diretrizes gerais de ação, cujo detalhamento ficaria para uma nova conferência, provavelmente na Cidade do México, no final de 2010.
 
 
 
 

 

Um até então indeciso governo brasileiro comunicou que até 2020 o País reduzirá voluntariamente entre 36,1% e 38,9% as emissões projetadas para o próximo decênio. Como isso se fará exatamente em cada setor envolvido, a que custos e sob quais controles não foi explicado. Mas o anúncio da iniciativa – a mais ousada de uma nação emergente – bastou para que as organizações ambientalistas saudassem o surgimento de um novo líder global em matéria de políticas de proteção ao planeta.
O Brasil quebrou um tabu, exultou um ecologista. Com o derretimento das esperanças de que um acordo em Copenhague virasse a página de fracassos do Protocolo de Kyoto, de 1997, que os Estados Unidos se recusaram a ratificar e outras potências poluidoras descumpriram, a posição adotada pelo presidente Lula – depois de muita relutância – poderá promovê-lo a campeão mundial da luta contra a degradação climática.
 
 
 
 

 

Autoridades brasileiras se disseram surpresas com o retrocesso de Cingapura. Surpresa, no entanto, seria o oposto do que ali ocorreu. Desde a conferência anterior da ONU, em Bali, há dois anos, em nenhum momento se vislumbrou a possibilidade de um acordo substantivo entre os países desenvolvidos e os demais sobre a parte que tocaria a cada qual na empreitada de impedir a elevação média da temperatura da Terra.
A Índia, por exemplo, se recusa até mesmo a fixar um prazo para estabilizar o crescimento de suas emissões. A China acena com reduções notáveis, mas não menciona volumes nem datas. Nos Estados Unidos, a oposição republicana no Senado faz o que sabe para emperrar a tramitação do projeto da Casa Branca que prevê um corte de 17% sobre o nível atual de emissões. Não há hipótese de que o impasse no Capitólio se desfaça até o início da reunião de Copenhague, em 7 de dezembro.
 
 
 
 

 

As potências econômicas tampouco aceitam a ideia de pagar a conta dos programas de defesa do clima no mundo em desenvolvimento – uma fatura da ordem de US$ 150 bilhões. E a crise econômica acentuou as resistências entre desenvolvidos e emergentes à assinatura de um tratado abrangente e compulsório de combate ao aquecimento global.
Enquanto o presidente Lula e o seu colega francês Nicolas Sarkozy, reunidos em Paris, anunciavam uma proposta conjunta para que os países industrializados se comprometessem a reduzir as suas emissões em pelo menos 80% até 2050, em Cingapura caía o projeto da ONU de uma meta mundial de 50% no mesmo período.
Lula chegou a dizer, do alto da sua soberba, que telefonaria a Obama e Jintao para cobrar deles uma atitude mais construtiva em favor de Copenhague, no lugar de um hipotético acordo climático bilateral.
 

 

O que os brasileiros devem cobrar do presidente, agora que ele passou a ostentar por toda parte as suas recém-adquiridas credenciais ambientalistas, é que até o fim do seu mandato o governo detalhe as ações que permitam cumprir as metas fixadas na última sexta-feira, os respectivos prazos de execução e as fontes de financiamento do programa. Mais ainda, para provar que fala sério, Lula deveria patrocinar a inclusão dessas metas no projeto da Política Nacional de Mudanças Climáticas em tramitação no Senado.
Por fim, o governo precisa responder a uma singela e crucial questão. Se o mais recente inventário oficial das emissões brasileiras de gases estufa data de 1994 – e considerando as enormes mudanças que a economia nacional vem experimentando desde então -, não se imagina qual possa ser a base de cálculo das emissões futuras sobre as quais incidirá a prometida redução de até 38,9%.
Fonte: O Estado de São Paulo
 

 

——————————————————————–

——————————————————————–

65932COPENHAGUE: Reuniões tentam salvar acordo

 Redação Envolverde

Pelo menos 40 ministros de meio ambiente se reúnem na manhã desta segunda-feira, 16/11, em Copenhague, para tentar, mais uma vez, chegar a um consenso mínimo sobre as metas de reduções para a 15ª Conferência do Clima, em dezembro, capaz de manter acesas, até lá, as esperanças de um acordo global, com a participação dos dois maiores emissores, os EUA e a China.
Depois de reunião de dois dias em Cingapura, os 19 líderes de nações que fazem parte da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), com a presença do presidente norte-americano, Barack Obama, e do chinês, Hu Jintao, além do primeiro-ministro da Dinamarca, Lars Lokke Rasmussen, colocaram uma pedra sobre a possíbidade do acordo. Para o grupo, “é fora da realidade a hipótise da assinatura de um acordo”, principalmente com caráter legal. A proposta de Rasmussen é de que as negociações se foquem “nas próximas semanas, no que é possível, sem permitir distrações com aquilo que não é possível”.
Os presidentes Lula e Sarkozy também anunciaram que vão fazer uma verdadeira “volta ao mundo” antes da Conferência, na tentativa de convencer os países em desenvolvimento a adotar metas ambiciosas para reduzir a emissão de gases geradores do efeito estufa.
As metas brasileiras de reduzir em até 39% das emissões até 2020, anunciadas no sábado, 14/11, serão usadas como um exemplo de um forte engajamento. “Ninguém quer o impossível, mas apenas o razoável: que deixemos para o futuro um mundo pelo menos igual ao que recebemos”, disse o presidente Lula na coletiva de imprensa, em Paris.
Sarkozy disse que vai enviar seus ministros à África, parte da Ásia e à América do Sul para convencer o maior número possível de países a adotar metas que demonstrem um compromisso real, a fim de fazer da conferência de Copenhague uma declaração de princípios. Os dois países também pretendem propor a criação de uma Organização Mundial para o Meio Ambiente, como parte de uma reforma ampla da ONU.
O presidente Sarkozy afirmou que, seguindo o exemplo de Lula, participará pessoalmente da Conferência do Meio Ambiente de Copenhague. O presidente Barack Obama anunciou que também estará presente “se isso for importante para o fechamento de um acordo”.

No Brasil, o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) também se reúne nesta segunda, em Brasília, para debater a participação do Brasil na COP-15, a partir das 14h30, no Palácio do Planalto. Participarão o ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, do Planejamento, Paulo Bernardo, do Meio Ambiente, Carlos Minc, da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, e da Agricultura, Reinhold Stephanes.

(Envolverde/Envolverde)

© Copyleft – É livre a reprodução exclusivamente para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.

—————————————————————————————————————————————-

logo_amarnatureza

 AMBIENTALISTAS COBRAM DETALHAMENTO DAS METAS

JOÃO PENIDO

Ambientalistas consideraram positivo o fato de o Brasil ter estabelecido uma meta de redução de emissões para levar à Conferência das Partes 15 (COP-15), em Copenhague, na Dinamarca, no próximo mês, mas criticaram a falta de detalhamento de como o Governo estimou o crescimento das emissões de gases de efeito estufa.

A redução prevista é em relação às projeções de quanto o Brasil iria emitir até 2020. Segundo o governo, na prática deixarão de ser emitidas entre 975 milhões e 1,062 bilhão de toneladas de gás carbônico. Trata-se de um a redução de até 1,052 bilhão de toneladas de CO2 em relação ao cenário tendencial para 2020, que prevê emissões de 2,7 bilhões de toneladas. Em relação a 2005, o ano de pico das emissões brasileiras, a meta representa um corte de 15%.

– Faltou o detalhamento de como o governo estimou esse cenário tendencial de crescimento de emissões – disse o coordenador do Programa de Mudanças Climáticas e Energia da ONG WWF, Carlos Rittl.  Ele considerou que a meta brasileira (ou compromisso voluntário do Brasil, sem caráter de lei ou de obrigação, de acordo com o Governo) é um número importante, superior aos de alguns países desenvolvidos, e que  pode trazer um ânimo novo às negociações.

– O fato de o país ter uma meta é muito positivo, mas a falta de detalhamento abre o flanco para que o anúncio seja visto como plataforma eleitoreira, como uma forma de pintar de verde a candidata desenvolvimentista (a ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT à eleição presidencial de 2010) – disse o coordenador da campanha de clima do Greenpeace, João Talocchi.

De acordo com ele, a meta deveria ser incorporada à Política Nacional de Mudanças Climáticas e ser apresentada como compromisso internacional em Copenhague.

Já o cientista político Sérgio Abranches, especializado em questões ambientais, explicou que a dúvida maior tem a ver com o fato de que o Ministério da Ciência e Tecnologia vir se recusando sistematicamente a atualizar o inventário das emissões brasileiras, que data de 1994.

– Como avaliar projeções de emissões, se não há dados oficiais sobre as emissões brasileiras? É meio estranho um país prometer reduzir suas emissões futuras, sem dar a conhecer suas emissões presentes – disse.

www.amarnatureza.org.br

 ——————————————————————————————————————————————————————————————

OBAMA READY TO CLINCH DEAL

US President Barack Obama says the US and China must set up a framework for a climate deal in December. Obama is ready to travel to Copenhagen, if he can clinch a deal.

 
Marianne Bom
If the world is close to agree on a framework deal on climate and his presence is likely to make a difference for a positive outcome, US President Obama will participate in the UN climate conference in Copenhagen in December.
“If I am confident that all of the countries involved are bargaining in gooobamad faith and we are on the brink of a meaningful agreement and my presence in Copenhagen will make a difference in tipping us over edge then certainly that’s something that I will do,” Obama says to Reuters in an interview.
Obama acknowledges that the US Senate will not pass climate legislation before the climate conference, but he remains optimistic that the UN climate conference can yield a “framework” agreement.
“I think the question is can we create a set of principles, building blocks, that allow for ongoing and continuing progress on the issue and that’s something I’m confident we can achieve,” he says.

Later this month Obama will go on an Asia tour, and talks during the tour with Chinese leaders will be crucial for preparing an accord, Barack Obama says.

“The key now is for the United States and China, the two largest emitters in the world, is to be able to come up with a framework that, along with other big emitters like the Europeans and those countries that are projected to be large emitters in the future, like India, can all buy into,” he says.

“I remain optimistic that between now and Copenhagen that we can arrive at that framework.”

—————————————————————————————–

g20_nov09_20091107-195046-6_web

G-20 ministers failed to make progress on climate financing
A row between developed and major developing countries ended this weekend with a vague recognition of “the need to increase significantly and urgently the scale and predictability of finance to implement an ambitious international agreement”.
 
 
 
 

 

Michael von Bülow

Finance ministers of the Group of 20 leading and emerging economies ended a two-day meeting Saturday without having made any progress on how to split the global bill for tackling climate change.

After a row between developed and major developing countries the meeting in St. Andrews, Scotland, ended with a communiqué, which, according to AFP, read:

“We committed to take action to tackle the threat of climate change and work towards an ambitious outcome in Copenhagen.”

“We discussed climate change financing options and recognised the need to increase significantly and urgently the scale and predictability of finance to implement an ambitious international agreement.”

The British hosts were determined to push toward a 100 billion US dollar deal to cover the costs of climate change by 2020. However, the talks eventually got bogged down in a discussion with large developing countries about who should foot the bill.

According to Reuters, the G-20’s hour-long debate on climate change was so heated there was a risk the final statement would not mention climate change at all.

German Finance Minister Wolfgang Schaeuble (photo above 3-L) said an agreement was scrapped because of emerging nations’ unwillingness to contribute.

“Basically a group of emerging nations made it clear that they were unwilling to invest their own funds in the fight against climate change,” he told reporters, according to AP.

Schaeuble indirectly blamed those countries’ opposition on the failure of other rich nations – such as the US – to pay up.

In a comment, Richard Dixon, director of environmental group WWF Scotland, said according to Bloomberg that “the meeting turned out to be a mostly irrelevant sideshow on the way to the Copenhagen talks”.

He was referring to the UN climate change conference COP15 in the Danish capital four weeks from now.

Also referring to COP15, Danish Prime Minister Lars Loekke Rasmussen said “it would be a mistake if we miss this deadline”.

“You are the biggest players, both when it comes to delivering the money and to spending it the most effective way,” he told the G-20 finance ministers, according to Danish daily Berlingske. Denmark was invited to the G-20 meeting as upcoming COP15 host.

Last month, UN climate chief Yvo de Boer said that the G-20 finance ministers’ meeting was one of two “major opportunities” to make headway on finance before Copenhagen.

The other passed last week when European Union leaders failed to specify how much they would contribute despite agreeing that developing nations would need 100 billion euro (150 billion US dollars) annually by 2020. (Photo: Scanpix/EPA)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s